sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O jeito estranho e perigoso do SBT gravar novelas


O SBT precisa encontrar uma maneira diferente de produzir as suas novelas, para ao menos minimizar os prejuízos dos artistas que delas participam. “Corações Feridos”, de Iris Abravanel, é o exemplo da vez.

Com o fim das gravações no final do mês, também se encerram no último dia deste novembro os contratos de todos os atores. O compromisso de trabalho foi inteiramente cumprido pelas partes envolvidas. O elenco prestando serviço para o qual foi requisitado e a emissora pagando religiosamente em dia os salários devidos. Quanto a isso, queixa de ninguém.

A coisa se complica no instante em que essa é uma estreia, segundo os rumores –nada oficial por enquanto--, prevista apenas para março do ano que vem, logo depois do Carnaval. Considerando que a sua apresentação deve se estender por cinco ou seis meses no ar, devemos entender que nenhum desses profissionais será aproveitado por qualquer televisão antes de setembro ou outubro do ano que vem. Concorrente não contrata artista que está no ar por outra emissora.

Esse é o problema do SBT com as suas novelas. Quer, por medida de economia, gravar tudo antes, para apresentar depois, com danos muito sérios a todos e à própria qualidade da sua produção.

SESSÃO ABERTURA: As Pupilas do Senhor Reitor

Mudanças e ajustes


A direção da Rede Globo continua promovendo ajustes nas grades de fim de ano e de início de temporada.

O seriado "Batendo ponto", por exemplo, com lançamento previsto para 23 de dezembro, mudou para o dia 28.

"Batendo ponto", com Ingrid Guimarães, caminha para programa de grade e já tem 23 episódios encomendados.

Sitcom da Record


O ator André Mattos, que interpretou Fortunato em "Tropa de Elite 2", posa para foto no teatro Tablado, no Rio de Janeiro.

"Balada, Baladão", especial do André Mattos, escrito por ele, Moisés Bittencourt e Emílio Boechat, também está confirmado no fim de ano da Record.

Será levado ao ar no dia 30, com direção de Edson Spinello. Toda história gira em torno de um bandido, que sempre age quando tem um galho de arruda na orelha. Gravações no Recnov.

Elenco da substituta de "Ribeirão do Tempo" começa a ser escalado


A Record já deu início à escalação de elenco de sua próxima novela das 22h, que substituirá "Ribeirão do Tempo" a partir de abril de 2011.

O folhetim, que será de Cristianne Fridman - de "Bicho do Mato" e "Chamas da Vida" -, tem Vanessa Gerbelli, Thais Fersoza e Lucinha Lins confirmadas em seu elenco. Além delas, Guilherme Berenguer, Jussara Freire, Beth Goulart e Leonardo Vieira seguem confirmados.

Ainda sem nome definido, a próxima novela das 22h da Record terá como mote o cotidiano de dez pessoas da classe média baixa que fazem um bolão e ganham na loteria e mudam de vida. Elas trocam as suas casas por mansões e passam a viver com todo o luxo que o dinheiro permite.

Entretanto, a riqueza trará uma série de desavenças entre essas famílias. Segundo Alexandre Avancini, diretor geral da trama, a ideia é mostrar como as pessoas mudam quando o dinheiro está em jogo.

As gravações deverão começar em dezembro.

Passione: Fred termina casamento com Melina, após descobrir chantagem


O casamento de Fred (Reynaldo Gianecchini) e Melina (Mayana Moura) chegará ao fim nos próximos capítulos de “Passione”. O vilão deixará a estilista, depois de descobrir, através de Laura (Adriana Prado), que sua esposa chantageou Diana (Carolina Dieckmann), na tentativa de impedir que a loira se casasse com Mauro (Rodrigo Lombardi). A cena está prevista para ir ao ar a partir do dia 7 de dezembro.

Revoltado ao descobrir a verdade, Fred irá até a mansão dos Gouveia para tirar satisfação com a esposa. Os dois baterão boca, até que a estilista se mostra arrependida. Porém, Melina dirá ao filho de Candê (Vera Holtz) que, caso ele vá embora, não dará uma nova chance ao vilão.

Sem pensar muito, Fred arruma suas malas e ao descer as escadas se depara com Bete (Fernanda Montenegro), que se assusta com a reação do rapaz. “Pode ficar feliz, Dona Bete, estou indo embora”, dirá o vilão.

A matriarca da família não conseguirá esconder a alegria com a separação. “Filha, você finalmente criou juízo”, diz Bete, que é logo interrompida pelo genro. “Juízo? A felicidade vai durar pouco quando a senhora souber por que estou indo. Você vai contar para sua mãe ou quer que eu conte?”. Com a recusa de Melina, Fred conta tudo sobre a chantagem, deixando Bete boquiaberta.

"Clandestinos" volta a perder para a Record no Ibope


O episódio de "Clandestinos" veiculado na noite da última quinta-feira (25) novamente foi derrotado pela Record.

A série da Globo fechou com média de 14 pontos contra 16 da concorrente, que exibia a eliminação do maquiador Carlos Carrasco em "A Fazenda 3". Nessa mesma faixa, a Band teve 8 pontos, seguida pelo SBT, que ficou em quarto lugar com 6 pontos.

Esses índices são prévios e são baseados na preferência de um grupo de telespectadores da Grande São Paulo. Dados consolidados podem variar para mais ou para menos.

SESSÃO ENTREVISTA: Glória Pires

Maurício Mattar pode atuar em nova novela do SBT


Maurício Mattar pode mudar de emissora em breve. Na tarde do dia 24, ele esteve na sede do SBT, em Osasco.

O ator postou em seu Twitter uma foto sua ao lado do apresentador Raul Gil, a quem chamou de "meu grande amigo e paizão de coração". Ele ainda disse que estava no SBT a convite de Raul e que almoçou com ele lá na emissora.

Ainda na rede de miroblogs, Maurício Mattar passou a seguir o perfil oficial da rede de Silvio Santos e do autor de novelas da casa, Tiago Santiago, criando assim boatos sobre sua mudança para o SBT.

Já em outro momento, Maurício replicou uma pergunta feita por um usuário da rede de microblogs, querendo saber se ele seria contratado pelo SBT.

O último trabalho do ator na Globo foi como o delegado Pontes, no seriado "Na Forma da Lei".

Vale lembrar que o SBT está montando o elenco de "Amor e Revolução", próxima novela a ser produzida pela emissora. As gravações começam em janeiro.

Procurada pelo NaTelinha, a colaboradora de Tiago Santiago, Renata Dias Gomes, disse não estar sabendo de nada, mas que seria maravilhoso poder contar com um ator como Maurício Mattar.

Record define estreia de "Sansão e Dalila"


Em uma convenção nacional realizada nesta semana, a Record definiu, entre diversas estratégias, a data de estreia de "Sansão e Dalila".

A minissérie bíblica, adaptada por Gustavo Reiz e dirigida por João Camargo, deverá ir ao ar a partir do dia 3 de janeiro, logo após "Ribeirão do Tempo".

Serão veiculados 16 episódios ao longo de quatro semanas. As exibições serão de segunda a quinta-feira.

“I Love My Nerd”, primeira web série do Multishow, estreia no site do canal


Carlos Arthur e Marcelo Dias - ou melhor, C.A e Musg - são dois nerds assumidos que terão suas vidas transformadas pelas gatas Monique Luchese e Lídia Barbieri. E não se trata de uma transformação física, mas de uma mudança geral. O quarteto vai se juntar para trocar experiências e conhecimentos. O resultado desse encontro vai ao ar na primeira série do Multishow exclusiva para a web, "I Love My Nerd", que estreiou no multishow.com.br, dia 23, às 17h. Uma prévia do programa já está disponível no site do Multishow através do link http://bit.ly/adXKBK .

Durante dez episódios, Musg e C.A vão descobrir a vida fora dos videogames e dos tabuleiros do RPG. Durante todo o tempo que ficarem juntos, os amigos terão carta branca para fazer o que quiserem com as meninas. Mas, como nada vem de graça, entre idas à praia, à balada e aos mais diversos passeios, os dois podem cair na lábia das meninas e ter que enfrentar, por exemplo, um ensaio sensual em troca de poder fotografá-las também.

Em cada episódio, o grupo faz uma atividade completamente distante dos seus mundos. Eles vão visitar a feira de São Cristóvão, enfrentar um touro mecânico, curtir uma balada, entre outras aventuras. Animado com o novo desafio, C.A promete se empenhar. "O meu objetivo é a conquista", anima-se. E Musg não fica atrás: "Sou um cara divertido e obcecado por mulher!".

C.A e Musg são dois nerd típicos, de 32 anos, que moram com os pais e são obcecados por videogame e redes sociais. Mas, ao contrário do que muitos pensam, eles também são vidrados em mulheres. C.A tem namorada, mas revela que deu um pause no relacionamento e que depende só dele apertar o play ou o stop e "zerar" tudo. Tudo bem no estilo nerd de ser. Já Musg não tem medo de falar que está "na pista para negócio". "Eu não nasci para ser namorado. Eu nasci para ser amante ou amigo colorido", admite.

A web série é o primeiro projeto do Multishow com conteúdo feito exclusivamente para a internet. O programa será exibido sempre às terças e quintas, às 17h, e depois ficará à disposição na íntegra no site. Até o fim desse ano, outros três programas vão estrear nesse formato, entre eles o "Serguei Rock Show". O programa vai trazer o roqueiro como protagonista de diversas situações, onde ele vai falar sobre música e dar dicas, sempre no clima de muito rock and roll.

I Love My Nerd
Estreiou: Terça-feira, dia 23, às 17h, no multishow.com.br
Toda terça e quinta, às 17h

Sitcom estreia em julho na Band


Os Anjos do Sexo estreia em julho na Band em exibição semanal. A sitcom, produzida pelo Núcleo de Dramaturgia da Band Rio, foi totalmente gravada na cidade, em locações externas e nos estúdios do PoloRio de Cine e Vídeo, de março a junho de 2010.

Os 26 capítulos de Os Anjos do Sexo foram baseados na peça "Todo mundo tem problemas sexuais", de Domingos Oliveira, para quem a série deve ser vista como uma "comédia emocionante".

Em todos os episódios, os anjos, que habitam um escritório de terapia amorosa, ajudam casais a resolver seus problemas sexuais. "A série se constitui em um caleidoscópio dos problemas sexuais dos casais contemporâneos e as histórias são baseadas em fatos reais, contadas por um psicólogo amigo", diz o autor.

Os Anjos do Sexo tem seu elenco formado pelos atores Carolyna Aguiar e Orã Figueiredo nos papéis fundamentais do casal de anjos que desce à terra, e Dedina Bernardelli, Marco Marcondes, Ludmila Rosa, Priscilla Rozenbaum e Ricardo Kosovski, como atores principais que contracenam com artistas convidados para cada episódio. Karina Dohme, Zéu Brito, Ludmila Rosa, Hedla Lopes e Taciana Saad, foram alguns dos convidados.

Os Anjos do Sexo foi gravada em HDTV sob direção de José Roberto Sanseverino, Pedro Paulo Carneiro e Cristina "Tininha" Araújo. Direção de arte e cenografia de Paulo Dunlop.

Suzy Rêgo volta a atuar em novela da Globo após 12 anos


A atriz Suzy Rego está de volta à Globo, após 12 anos de ausência. A atriz estará no elenco da próxima novela de Walcyr Carrasco, “Dinossauros & Robôs”. Seu último folhetim na emissora carioca foi “Era uma vez”, de 1998. O anúncio foi feito pelo novelista em seu Twitter.

De acordo com o site Na Telinha, na trama, Suzy fará parte do núcleo de um spa. Sua personagem fará de tudo para emagrecer, porém aparecerá fugindo da dieta, ao comer chocolates escondida.

Também farão parte do núcleo as atrizes Cissa Guimarães, que será a dona do estabelecimento, Miriam Lins, Flávia Garrafa e Cristina Mutarelli. Já Cláudia Rodrigues, ex-“A Diarista”, fará uma participação especial no núcleo. Outro nome confirmado por Carrasco é o de Neusa Maria Faro.

Além de “Era uma Vez”, Suzy Rêgo atuou em outras novelas da Globo, como “O Salvador da Pátria”, “Top Model”, “Salomé” e “A Viagem”. Nos últimos anos, realizou trabalhos em outras emissoras, como “Louca Paixão”, na Record, “Amor e Ódio”, no SBT, e “Floribella” e “Paixões Probidas”, na Band

“Dinossauros & Robôs” tem previsão de estreia para março de 2011. Já estão confirmados no elenco da próxima novela das sete os nomes de Adriana Esteves, Mateus Solano, Marcos Pasquim, Cissa Guimarães, Vanessa Giácomo, Narjara Turetta, Samara Filippo, Nívea Stelmann, Rodrigo Hilbert, Paulinho Vilhena e Erik Marmo. A trama contará com direção geral de Rogério Gomes, que faz sua estreia em um folhetim de Carrasco.

SESSÃO CHAMADAS: Insensato Coração

Globo emplaca quatro produções na TV vietnamita


A Rede Globo segue ampliando a difusão de suas produções para outros países. Recentemente, de acordo com a Folha de S. Paulo, a emissora conseguiu vender quatro de seus programas para o Vietnã.

A emissora carioca negociou com dois canais do país. O VBC anunciou a aquisição da minissérie “A Casa das Sete Mulheres”, da novela “Duas Caras”, além de 13 episódios da série de documentários “Globo Doc WildLife”. Já o SCTV confirmou os direitos de exibição da novela “Sinhá Moça”.

Em abril, a Globo anunciou a venda de sua primeira produção para o país. Na ocasião, a TV Saigontourist Cable adquiriu a minissérie “Maysa – Quando Fala o Coração”. Os novos acordos fazem parte da estratégia da Globo em solidificar sua presença no continente asiático. Além do Vietnã, outros países da região, como Índia, Coreia do Sul, Macau, Cingapura, Malásia, China, Indonésia, Japão e Timor Leste já adquiriram, anteriormente, produções brasileiras.

SBT define data de estreia de “Amor e Revolução”


Os trabalhos na dramaturgia do SBT seguem em ritmo acelerado. “Corações Feridos”, de Íris Abravanel, está entrando na reta final de suas gravações e “Amor e Revolução”, de Tiago Santiago, segue em pré-produção e já tem estreia prevista.

“Corações Feridos” deverá ter sua última cena gravada no dia 4 de dezembro. As gravações vêm acontecendo de forma intensa, tanto que no feriado da última segunda-feira (15) os atores foram divididos em duas turmas para gravações simultâneas. Ainda não há previsão do trabalho ir ao ar, embora o diretor Del Rangel já anuncie que deverá entregar a trama praticamente pronta para exibição.

De acordo com o Na Telinha, já em relação à “Amor e Revolução” foi anunciada a estreia para o dia 14 de março, com início das gravações para o mês de janeiro. Caso a data seja confirmada, é possível que as novelas de Tiago Santiago e Íris Abravanel vão ao ar simultaneamente durante algumas semanas.

Primeiras gravações em cidade cenográfica de ‘Sanção e Dalila’, na Record, começam hoje


A cidade cenográfica de “Sansão e Dalila”, erguida no complexo Recnov, no Rio, recebe hoje as primeiras gravações da minissérie que estreia em janeiro, na Record.

Participam das cenas os atores Cláudio Gabriel, Thais Fersoza, Felipe Cardoso e Rodrigo Costa. Em externas os trabalhos estão bem avançados.

Beth Goulart e Guilherme Berenguer estarão em próxima novela da Record


Beth Goulart, Guilherme Berenguer, Jussara Freire e Leonardo Vieira estarão na novela que substituirá “Ribeirão do Tempo” na Record. A história é de Cristianne Fridman.


A Record, através do diretor Alexandre Avancini, pretende fazer um esforço para que as gravações, em externas, tenham início ainda em dezembro.

Manoel Carlos diz que ignora grupos de discussão da Globo


Os novelistas Manoel Carlos e Glória Perez participaram na última segunda-feira (22) de uma sabatina realizada pelos autores do livro “A seguir, cenas do próximo capítulo”, André Bernardo e Cíntia Lopes.

Segundo o site Na Telinha, durante a conversa sobre merchandising social em telenovelas, Manoel Carlos revelou que não segue a opinião dos grupos de discussão promovidos pela Globo para discutir suas tramas. “Nunca fui a nenhum, nem incentivei alguém que fosse. Também nunca vi o resultado”, garante o experiente autor, responsável por novelas como “Por Amor”, “Laços de Família” e “Viver a Vida”.

Maneco ainda contou que a campanha de doação de medula óssea realizada em “Laços de Família” foi o tema social mais bem sucedido de suas tramas, porém aponta o dia a dia das crianças com síndrome de Down, abordado em “Páginas da Vida”, como seu preferido. “Foi um dos momentos mais lindos da minha vida ver a Clarinha (Joana Mocarzel), de ‘Páginas da vida’, na capa de uma revista. As crianças com síndrome de Down não estavam mais escondidas”, relembra.

Já Glória Perez apontou o drama vivido pelas mães de crianças desaparecidas como o merchandising social mais bem trabalhado em suas novelas. “A campanha das crianças desaparecidas deveria ser retomada na TV, foi a que mais deu certo e a que continuou depois do fim de ‘Explode Coração’”. Na novela, exibida em 1995, o drama das crianças desaparecidas foi abordado a partir da história de Odaísa (Isadora Ribeiro), que se juntou às Mães da Cinelândia, no Rio, em busca de seu filho, Gugu (Luiz Cláudio Júnior). Na época, após a divulgação de imagens de desaparecidos na novela, dezenas de crianças foram reencontradas pelos pais.

SESSÃO FALHA NOSSA: Agora é Que São Elas e Malhação

Band voltará a apostar em dramaturgia em 2011


A Band irá retomar a exibição de teledramaturgia em 2011. Porém, ao contrário de suas principais concorrentes, a emissora do Morumbi apostará em séries. Uma das novidades da emissora será o seriado “Anjos do Sexo”, que estava previsto para estrear neste ano, mas que acabou sendo adiado.

O programa é um sitcom, que será exibido nas noites de terça, no qual anjos tentarão ajudar um grupo de casais a enfrentarem seus problemas sexuais. A trama aposta em um elenco desconhecido do público. Serão ao todo 26 episódios, divididos em duas temporadas. “O elenco fixo é de oito pessoas, além dos convidados. Alguns episódios terão o tom dramático”, revelou o diretor de programação da Band, Hélio Vargas, em entrevista ao site da revista Contigo.

De acordo com o site Na Telinha, outra aposta da Band será a série juvenil “Julie & Fantasmas”, que lançará uma banda teen, que irá fazer uma turnê de shows pelo país. O programa acompanhará a vida de Julie, interpretada por Mariana Lessa, que mantém um talento escondido, conhecido no momento em que a garota ouvir um disco de vinil da banda Os Fantasmas. A partir disso, ela perderá sua timidez e irá trilhar os passos para se tornar um grande nome da música.

Além das duas novidades, a Band pretende lançar outro projeto na área de teledramaturgia ainda no próximo ano. “É uma hora de pré-produção. Não é um folhetim, é mais voltado para o entretenimento. É um projeto que a gente vem trabalhando há algum tempo e, se Deus quiser, entra no ar em 2011”, anuncia Vargas, sem revelar maiores detalhes.

‘Aline’ terá seu 'momento 'Glee'


A nova temporada de “Aline” terá um episódio inteiramente musical. Todos os atores cantaram e dançaram numa cena gravada num domingo num trecho da Avenida Paulista. Branco Mello, produtor musical do programa desde a primeira temporada, fez os arranjos. A bailarina Márcia Rubin ensaiou o elenco.

O título da nota acima é brincadeira. Maurício Farias, diretor, diz que a ideia surgiu “antes de ‘Glee’ estourar”. E que o episódio musical de “Aline” é uma mistura de linguagens de musicais clássicos e videoclipe.

Programa refaz Copacabana no Projac


Programa de Cláudio Paiva que será estrelado por Andréia Beltrão e Fernanda Torres na Globo, “Tapas e beijos” será ambientado em Copacabana, não na Saara como previsto inicialmente.

Uma das ruas transversais e um centro comercial daqueles típicos do bairro serão cenografados no Projac.

A estreia do seriado “Tapas e beijos” está prevista para fevereiro de 2011 e o diretor-geral, Maurício Farias, ainda está montando o elenco. A princípio, serão 13 episódios.

Por que a Globo já não produz adaptações da literatura como antes?


Entre os “Contos completos” de Lima Barreto que a Companhia das Letras acaba de lançar (com minuciosa organização e deliciosa apresentação de Lilia Moritz Schwarcz) está “O homem que sabia javanês”. O título virou um especial para a Globo em 1995 (na chamada acima). Na adaptação de João Falcão, Jorge Furtado e Guel Arraes, o personagem que narra sua aventura, Castelo, coube a Marco Nanini e o programa, dirigido por Guel, foi ao ar na “Terça nobre”. Se “O homem que sabia...” fosse uma fábula, sua moral seria: em terra de cego, quem tem um olho é rei. Caso estreasse hoje, faria sucesso de novo sem sombra de dúvida.

A Globo já não produz adaptações de clássicos da literatura com a mesma regularidade. Por que será? $ão por falta de apetite do público pelo gênero. Veja o que está acontecendo no Viva. O canal da Globosat apresentou “A casa das sete mulheres” (livre adaptação da obra homônima da gaúcha Letícia Wierzchowski feita por Maria Adelaide Amaral e Walter Negrão); “Memorial de Maria Moura” (adaptada do romance homônimo da escritora Rachel de Queiroz); “Hilda Furacão” (escrita por Glória Perez, baseada no romance homônimo de Roberto Drummond) e “Engraçadinha — seus amores e seus pecados” (baseada em Nelson Rodrigues).

Em agosto, passaram a exibir a série “Brava gente”, também da Globo. São histórias inspiradas em textos de Nelson Rodrigues, Rachel de Queiroz, Luís Fernando Veríssimo, Machado de Assis, $Castro, Érico Veríssimo, entre outros. Os programas são todos muitos bons, e o público prestigia.

Porém, só uma televisão aberta e com poder de fogo é capaz de adaptações desta tonelagem — a maioria delas com grande investimento em figurino e cenografia. Isso, claro, sem mencionar os roteiros e a direção a cargo dos melhores profissionais do ramo no país. Mas, pena, faz tempo que a “Terça nobre”, o “Brasil especial”, o “Brava gente” e afins saíram de linha na Globo. Estão todos no Viva.

Sei não. Como disse Castelo — que fez todos acreditarem saber javanês — ao amigo Castro: “Não perdi meu tempo nem meu dinheiro. Passei a ser uma glória nacional e (...) no Cais Pharoux recebi uma ovação de todas as classes sociais”.

Audiência de 25/11


Em São Paulo, a programação foi normal. No Rio, a programação volta ao normal com início da novela das 18h.

Video show - 11

Sete pecados - 12

Malhação - 18

Araguaia - 22

Ti-ti-ti -30

Passione - 36

A grande família - 24

Clandestinos - 14

Afinal, o que querem as mulheres? - 11

Pérola Negra - 5

Esmeralda - 6

Canavial de paixões - 4

Ana Raio e Zé Trovão - 6

TRILHA SONORA: Ribeirão do Tempo



01. FÃ- Christian & Cristiano
02. VOCÊ É MÁ - Zeca Baleiro
03. NOVA PAIXÃO - Saulo Roston
04. VOU MAIS LONGE - Banda Vega
05. QUEM SOU EU? - Tchê Garotos
06. NAQUELA MESA - Otto
07. POR QUE? - Rodrigo Faro
08. PERDEU, PERDEU - Alcione
09. SELVA DE FERAS - Falamansa
10. LUZES DA RIBALTA - Ataíde & Alexandre
11. CABECINHA NO OMBRO - Wando
12. EVIDÊNCIAS - Tony Francis
13. PIQUE DO TEMPO - Tom Zé
14. ELA É A TAL - Paula Lima

Globo renova com alguns atores de ‘Clandestinos’


A Globo não confirma a permanência de “Clandestinos” em sua grade de 2011.

Mas há grandes chances.

Certos atores do programa estão tendo seus contratos prorrogados por mais alguns meses.

É o caso de Renata Guida e Pedro Gracindo.

Último Capítulo de 'Canavial de Paixões' fica com 4 pontos de média


O último capítulo de Canavial de Paixões marcou 4.1 de média, picos de 4.8 e 7% de share. Neste período a Globo liderou com ampla vantagem de 27.7 de média a Record ficou na vice com 7.7 a RedeTv! ficou em quarto com 3 pontos e a Band em quinto com 1.4 no mesmo horário.

Os números são prévios e podem sofrer alterações no consolidado. Cada ponto equivale 60 mil domicílios na Grande São Paulo.

domingo, 21 de novembro de 2010

Regina Casé e Rodrigo Santoro caem no funk durante gravação na Saara


O petropolitano Rodrigo Santoro só tinha estado na Saara uma vez, anos atrás, antes de aceitar o convite para integrar o elenco de "Papai Noel existe", especial de Natal da TV Globo estrelado por Regina Casé e gravado em uma das mais conhecidas regiões de comércio popular do Rio. O ator - tipo que não passaria incólume nem durante uma volta pelo shopping num dia de semana - jura ter conseguido ser apenas mais um na multidão depois de adotar a caracterização do camelô Robson Luiz. Sim, o figurino de Santoro, junto com o cabelo moicano e o bigodinho descolorido nas pontas, o deixou mesmo muito diferente.

- Caminhei aqui durante o dia (paramentado como o personagem), com as ruas e lojas lotadas. Andei uns dez quarteirões, comi esfirra, comprei um joguinho e um par de óculos. Claro que algumas pessoas me olharam, mas passei praticamente por um desconhecido. No começo, fiquei com receio por não ter o physique do Robson. Mas esse universo é tão interessante e peculiar que atiçou a minha curiosidade - conta o ator, que pode ser visto na série "Afinal, o que querem as mulheres?", exibida às quintas-feiras.

Na noite em que a Revista da TV acompanhou uma gravação do especial (que ainda não tem data para ir ao ar), na Saara, Santoro parecia outra pessoa. Concentrado, movimentava os braços e repetia um funk proibidão sobre Papai Noel que seria cantado por ele numa sequência do programa. Suando muito, gravou a mesma cena várias vezes - para que diferentes ângulos fossem captados - ao lado de Katiuscia Canoro.

Conhecida pela Lady Kate do "Zorra total", a atriz surgiu no melhor estilo popozuda com calça justa e tamancão para interpretar a barraqueira Suellen. Dona de loja na Saara, a loura é rival de Francis, personagem de Regina. As duas disputam as vendas e a atenção de Robson. Com texto de Patrícia Andrade, Péricles Barros, Estevão Ciavatta, Regina Casé e redação final de Guel Arraes, o programa vai mostrar o dia a dia da região do Centro do Rio que enlouquece às vésperas do Natal, quando chega a receber mais de dois milhões de pessoas.

- Cresci vendo "TV Pirata" e Regina sempre foi uma referência para mim - garante Katiuscia, que treinou em casa um timbre diferente para a nova personagem: - Suellen e Lady Kate vêm do mesmo lugar, são duas suburbanas. Não queria que elas fossem iguais em tudo.

De volta à dramaturgia e dez quilos mais magra, Regina conversou com a reportagem da Revista da TV num camarim improvisado, antes de ser transformada em Francis, a exuberante personagem que usa pedrinhas coladas nas unhas vermelhas e carrega o celular entre os seios, tal qual a paraguaia Larissa Riquelme, musa da última Copa do Mundo.

- Quem é mais velho lembra da Tina Pepper (personagem de "Cambalacho", de 1986) e cobra a minha volta como atriz. Os mais novos nem sabem que eu atuo - exagera Regina, que integrou o elenco da série "Som & fúria", no ano passado: - Adoro ser atriz, mas o Brasil sugou a gente. E quem iria mostrar esse outro lado do país que abordei nos meus programas?

Com um faro aguçado para retratar no vídeo gente e lugares que não costumam estar na TV, Regina afirma ter um caso de amor com a Saara.

- Frequento essa região há anos. Eu e Estevão (Ciavatta, diretor do programa e marido da atriz) temos o projeto de fazer um filme aqui com esses mesmos personagens do especial. Chego a sentir saudades da Saara quando fico muito tempo sem vir - confessa Regina, que irá apresentar um programa de auditório sobre o verão, na Globo, no início do ano que vem.

Ao todo, a equipe passou sete dias na Saara e usou locações reais como cenários. Para viabilizar a produção e não atrapalhar o comércio, muitas das sequências foram filmadas à noite e durante um fim de semana.

- Esse lugar é muito rico e tem uma importância para o Rio de Janeiro - destaca Ciavatta, durante o intervalo de uma das cenas: - E estou muito feliz com esse elenco. Regina e Katiuscia funcionaram muito bem juntas e o Rodrigo está sendo uma surpresa nesse papel.

Apesar de ser tratado como uma comédia romântica, "Papai Noel existe" terá um pé no drama.

- Uma hora, Katiuscia e eu quebramos tudo! Mas rolaram uns momentos em que geral chorou, numa cena de hospital. Um dia estávamos Rodrigo e eu gravando de madrugada, já quase de manhã. A gente estava sentado na sarjeta, ali perto do Campo de Santana, com a Presidente Vargas deserta e a Central lá no fundo. Eu me sinto no Rio de Janeiro mais profundo estando neste lugar - diz Regina.

Fred levou as ações e Bete Gouveia sofrerá baque. Mas não ficará pobre


A aflição de Bete Gouveia (Fernanda Montenegro) em ver a fortuna de sua família virar pó graças ao golpe que Saulo (Werner Schunemann) aplicou na empresa faz sentido. Mas, nos próximos capítulos de "Passione", o público não verá os donos da metalúrgica na rua da amargura, como gostaria Fred (Reynaldo Gianecchini).

É que, na hora agá, o autor da novela, Silvio de Abreu, impedirá que o vingativo vilão realize seu plano da maneira como imaginou:

- A família Gouveia não vai perder tudo - garante ele. - Fred vai conseguir a maioria das ações da empresa, mas é bem possível que alguma coisa fruste os seus planos de conseguir tudo o que é da família que humilhou seu pai.

Afinal, o que quer Luiz Fernando Carvalho?


por Fernando Collaço

Poderia haver melhor artista do que um homem apaixonado? Parafraseando uma das falas presentes no roteiro da nova microssérie da Rede Globo, Afinal, o que querem as mulheres?, que marca o retorno de Luiz Fernando Carvalho à programação televisiva, pergunto o que ainda nos reserva e quais os limites da experimentação desse diretor, um verdadeiro artista apaixonado por aquilo que faz.

Tendo como o objetivo declarado a reeducação do olhar do espectador através de sons, imagens e conteúdo diferenciado, quebrando com o realismo-naturalista produzido quase que em escala industrial na teledramaturgia atual, Luiz Fernando visa estimular o processo reflexivo sobre aquilo que nos é entregue diariamente através do fluxo imagético. Seu processo criativo ganha dessa forma notoriedade e proporciona discussões acaloradas, despertando paixão, e muitas vezes aversão na maioria daqueles cruzam com suas obras, uma vez que estas acabam sendo consideradas de difícil digestão, uma vez que o julgamento traz como parâmetro o ranço dramatúrgico acumulado ao longo dos anos.

Pautado sempre por um processo que envolve um laboratório completo, que vai desde palestras temáticas a ensaios minuciosos, o diretor procura sempre um tempo ideal de maturação para o que pretende dar vida. Dentre suas obras, encontramos telenovelas como O Rei do Gado, na qual apostou, principalmente nos primeiros episódios, o recurso dos tempos-mortos cadenciando um ritmo mais cinematográfico, auxiliado pelas gravações baseadas na utilização de apenas uma câmera, ao invés de três simultâneas, dando maior atenção às imagens produzidas.

Com Hoje é dia de Maria, traçou os primeiros contornos de uma estética artificial explícita, trabalhando um universo artificial por excelência que contava com a presença de seres inanimados na forma de marionetes, atuações próximas ao teatro, o recurso do stop-motion, dentre outros. Com A Pedra do Reino e Capitu deu pontapé inicial ao Projeto Quadrante, visando revisitar localidades brasileiras através de um diálogo com grandes obras da literatura nacional através da teledramaturgia. Nesse processo, reafirmou sua vontade e objetivo de buscar a reeducação visual e sonora do olhar do telespectador, auxiliado pela intensa troca com linguagens artísticas diversas, por vezes tão díspares ao meio.

Seu mais novo produto é fruto de outro processo de maturação. Depois de um longo período trabalhando baseado em obras literárias canônicas, o diretor volta sua atenção para a psicologia/psicanálise, em especial para uma questão, que acabará sendo a chave para um mergulho nos estudos de Freud: afinal, o que querem as mulheres?

Para a decepção daqueles que esperam resultados prontos e mastigados, a microssérie não propõe uma resposta para a questão, se é que a mesma sequer tem algum tipo de resposta, uma vez observada a abrangência da indagação. Ao tocar o universo da psicologia/psicanálise, o diretor, guiado novamente por seus instintos, acaba por pisar, em um terreno menos afeito ao artificialismo explícito, porém, mesmo assim, dotado de intensa carga experimental.

Tendo como fio condutor a história do casal formado por André Newmann (Michel Melamed), doutorando em Psicologia, que busca a resposta para a famosa questão posta por Freud, e Lívia Monteiro (Paola Oliveira), artista plástica, namorada de André há mais de cinco anos, a microssérie, que traz em alguns momentos a cidade do Rio de Janeiro como pano fundo, tem um início frenético com uma sucessão de quatro planos que nos mostram o dispositivo fílmico em ação: as câmeras em movimento para enquadrar André e, em seguida, a claquete que sublinha a seqüência ao afirmar, de uma vez por todas, que aquilo que iremos assistir é uma manipulação técnica que visa contar uma história.

Esse recurso metalinguístico, tão característico da pós-modernidade, que busca não a transparência, mas sim a opacidade do dispositivo, já encontrava espaço em outras produções do diretor, como na ocasião do julgamento de Chico Chicote (Rodrigo Santoro), na segunda jornada de Hoje é dia de Maria, no qual um movimento de câmera, semelhante ao realizado por Federico Fellini em seu filme E la nave va, enquadra e desvela assim toda a equipe de produção promovendo uma quebra no ilusionismo da ficção e impulsionando uma reflexão e distanciamento crítico perante aquilo que nos é mostrado.

Seguindo a trama, temos um narrador-personagem, que fala diretamente ao espectador, recurso introduzido pelo Cinema Moderno, que conta suas motivações, para logo em seguida apertar o play de seu gravador, suporte que leva consigo e que acumula todo o material sonoro de sua pesquisa e se torna uma das instâncias narradoras da trama, de onde partem as vozes e inserções sonoras em geral.

A manipulação da imagem é outro recurso de grande notoriedade na obra. A microssérie conta com uma ágil edição, que muitas vezes remete a uma linguagem próxima ao videoclipe, com uma grande quantidade de cortes sucessivos, que acaba dando ritmo frenético à narrativa, mas que também sabe o momento de desacelerar, como no primeiro grande flashback de Lívia, que narra o encontro do casal pela primeira vez, que traz imagens mais lentas, turvas como água, menos cortes e um abuso consciente do recurso das cores.

Talvez seja interessante pensar se o trabalho de Michel Gondry, referência declarada do diretor, que cita o filme Brilho eterno de uma mente sem lembranças constantemente, não acabou contaminando também a edição, uma vez que o referido diretor citado possui um vasto percurso audiovisual frente à direção de videoclipes e comerciais de grande notoriedade.

Na esteira das inovações, temos uma imagem inundada por diversas cores, com primazia das primárias, e intervenções gráficas diversas, como o recurso de rotação da imagem na ocasião do primeiro beijo do casal ou mesmo o desfoque constante, que acaba por conversar tanto com referências da Arte Pop, como com uma filmografia de diretores como Wong Kar Wai, que é refletida no uso constante de planos detalhes e na presença acentuada de uma grande quantidade de objetos obstruindo a nossa visão, como quinas de mesas, batentes, folhas da tese de André, gotas de água, dentre outros, que criam a sensação de um ambiente menor, fechado e quase claustrofóbico. Essa “poluição visual” de informações e cores, que por vezes cansa o olhar, é de extrema importância para o diálogo que propõe imageticamente com o trabalho de Lívia, artista plástica que manipula constantemente as cores em seus quadros de forma muitas vezes agressiva.

Há espaço de destaque ainda para muitos outros elementos da microssérie, como a direção de arte primorosa da lanchonete onde André entrevista as garçonetes e a trilha musical que conta com sucessos antigos, como Procol Harum, ou mesmo a própria banda de Michel Melamed que é responsável pelo tema de abertura. Além disso, temos o recurso dos intertítulos, utilizados já em Capitu, através da máquina de escrever de André, as referências múltiplas ao cinema (2001: Uma Odisséia no Espaço); à tragédia grega (Édipo Rei) na ocasião do encontro de André e sua mãe, interpretada por Vera Fischer, ao relembrar o momento, quando criança, em que oferece os próprios olhos à mãe para que essa possa enxergar aquilo que ele vai ver através do mundo, numa alusão a jornada de Édipo, que acaba cego; ou mesmo ao próprio trabalho, como na cena na qual André pede para mãe um café duplo, triplo, ou mesmo com chumbinho, semelhante ao personagem de Machado de Assis, Bento Santiago, interpretado também por Melamed na microssérie Capitu, que em determinado hora cogita o envenenamento do filho, da esposa e de si mesmo através de uma dose de chumbinho na bebida.

O que cabe a nós, enquanto telespectadores é observar nesse processo autoral que o diretor traça ao longo dos anos, o esmero com que trata as imagens e os sons de suas obras, nos entregar ao processo e avaliar a experiência obtida e perceber como isso vai de encontro ao seu principal objetivo, tirar o espectador da passividade proporcionada pela teledramaturgia engessada de hoje em dia e despertar o distanciamento crítico que promove uma discussão a respeito daquilo que se assiste.

Luiz Fernando não busca se isolar dentro da televisão, pelo contrário, mesmo sendo considerado um autor de difícil compreensão e muitas vezes carregar a bandeira do experimental de forma solitária, ele tem consciência que sua missão é de extrema importância para a teledramaturgia brasileira e, com certeza, mesmo com toda resistência, sabe que está plantando sementes muito importantes para o futuro da televisão brasileira.

SESSÃO BASTIDORES: As Cariocas

REVIEW: Clandestinos – O Sonho Começou – 1×01


A que público se destina um programa? Durante as promos de Clandestinos a impressão que ficava era que algo bem próximo da qualidade de Malhação seria exibido altas horas da noite, ainda que a produção estivesse a cargo de João Falcão, dono de muitos êxitos nos palcos.

O que corroborava essa impressão era o perfil similar ao irregular programa vespertino, com excesso de atores novatos e com visível falta de traquejo, uma encenação que não fugia do padrão noveleiro da casa e a própria temática que só apontava inseguranças juvenis.

Essa minissérie tem como base uma peça homônima escrita pelo mesmo autor em 2008, fruto de uma oficina de atores com uma idêntica proposta: através de um anúncio posto em jornais captar o improviso em 90 segundos de jovens atores e ao mesmo tempo saber do sonho artístico deles.

Enquanto teatro havia uma metalinguagem clara ao se fazer uma peça dentro de uma peça quando o diretor quer encenar a história dos atores que se apresentam. Dito isso lembra um filme iraniano, Salve o Cinema, do diretor Mohsen Makhmalbaf, realizado em 1985. Igualmente o diretor convocou através de um jornal interessados em participar de um filme, no caso eram pessoas comuns sem preparo artístico, e quando então eram entrevistados se perguntava o porquê da participação e do querer atuar, finda as perguntas eles eram informados que já estavam participando da obra, um documentário.

Clandestinos extrapola o documental flertando com o ficcional, tanto que não se percebe a que ponto um ultrapassa o outro. Uma certeza clara é quando as atrizes gêmeas são mostradas em cenas da equiparada Malhação. É nesse ponto que os receios fecham o ciclo.

As gêmeas Michelle e Giselle Batista e a outra atriz em destaque Adelaide de Castro, a que veio de Minas Gerais, não apresentam uma evolução do nível interpretativo da novelinha juvenil, e acabam em vários momentos soando falso a própria vida que representam. Algo bem irônico.

Motivos? Um provável defeito de direção (Flávia Lacerda, geral do João Falcão), que deixa as três atrizes longe de um naturalismo e praticamente forçando um tipo que não corresponde as pessoas em si. Também oscila alguns enquadramentos básicos com alguns inventivos: ou a mise en scène que ganha às vezes um tom fantasioso e depois retorna a trivialidade visual da Globo. Nas atuações, o único destaque é da produtora/assistente Elisa Pinheiro, que é expressiva sem se caricaturar. Já o diretor Fábio Enriquez cumpre seu papel de misto cômico/sonhador sem se comprometer.


Por último temos as histórias dos personagens/atores, que não deixam de ser um texto corrido, no puro blá-blá-blá. Ok, até aí uma característica da origem teatral, mas que para um produto de tv fica excessivamente alongado. No fundo as duas “aventuras” despertam algum interesse e se mostram divertidas de se acompanharem, mas que não deixam bem para trás Malhação isso não deixam.

Sobre e sob todas essas ressalvas há o compensador característico estilo de João Falcão. As frases rápidas, que se repetem em forma e contra-forma, em trocadilhos irresistíveis, também fruto dos parceiros Adriana Falcão, Guel Arraes e Jorge Furtado que dividem a escrita. Além do lirismo que extraia de momentos comuns e os tornam grandiosos, detalhe mais do primeiro que dos outros três. Ao todo serão oito episódios e não chega a ser impossível uma melhora substancial, e isso se pode afirmar porque a cada novo episódio novos sonhos serão apresentados. O que não nos faça dizer que a programação da noite virou dia.

Séries 2011


A Globo já definiu boa parte de suas séries para 2011: A segunda temporada de A Cura às terças no primeiro semestre, provavelmente com 14 episódios, a segunda temporada de Aline, já no mês de Janeiro, As Paulistas inspirada em As Cariocas e que deve entrar no segundo semestre com 10 episódios, a 3ª temporada de Força-Tarefa com 16 episódios no segundo semestre, também às terças.

Ainda deve haver duas séries às sextas-feiras, 04 estão em disputas.

Novas Metas de Dramaturgia


A Globo começa a estudar novas metas para suas novelas já a partir de 2011. Segundo a cúpula Global, a contagem de 60 mil televisores para cada ponto de audiência ainda não foi ajustada corretamente na meta da emissora e, por isso, a mídia pressiona por audiência melhor, quando a novela na verdade, está sendo bem vista.

A intenção é estabelecer as seguintes metas: Vale a Pena ver de Novo 15; Malhação 18; Novela das 6: 23; Novela das 7: 29; Novela das 8: 38.


Um estudo foi encomendado e devemos ter novidades já a partir de abril.

Empolgação


O elenco mais jovem de Insensato Coração, como a protagonista Paola Oliveira, está empolgado em contracenar com Carla Camurati, um dos grandes nomes da dramaturgia do Brasil e que não fazia novelas desde o início da década de 90.

O retorno de Camurati para a TV tem sido considerado um marco por Gilberto Braga e Ricardo Linhares, autores da novela.

Séries Independentes


A Rede TV pretende lançar-se na dramaturgia, mas, como isso é muito caro, a emissora estuda a possibilidade de co-produzir. Algo muito parecido com o que a Globo fez em Som & Fúria, ou seja, uma produtora independente produz uma série ou minissérie e a Rede TV compra seus direitos de exibição para a TV.

A idéia é fazer isso já em 2011, está sendo verificada a disponibilidade.

SESSÃO CENA INESQUECÍVEL: Vale Tudo

REVIEW: As Cariocas 1x04: "A Invejosa de Ipanema"


Foi exibido na noite da última terça-feira o 4º episódio da série As Cariocas, a série que caiu na boca do povo, agradou em cheio aos telespectadores da Rede Globo que esperam ansiosamente por cada episódio e cada nova figura que será contada as história.

Não é nada fácil manter a competência duma série assim, em que episódios são independentes uns dos outros e sem ligação alguma entre as personagens, conseguindo estipular um nível de qualidade e mantê-la ao longo de toda a temporada. E As Cariocas vinha conseguindo isso com maestria, com grandes resultados nos episódios exibidos. Isso não ocorreu ontem.

Em A Invejosa de Ipanema, o que se viu foi uma história superficial, caricata e quase infantil ao extremo. A impressão que deu ao telespectador era que ele estava diante de um daqueles livros que nossos pais usam para contar histórias na hora de dormir. Sem pé nem cabeça, sem nenhum elemento no roteiro que chamasse a atenção e extremamente boba.

Não fosse pelo carisma da protagonista e isso não se deve a Cris, personagem que vive toda a história de uma mulher casada com um homem extremamente mais velho e amante de um importante cirurgião plástico, invejosa, ela quer ter tudo que a mulher do amante ganha e também quer ter tudo que conseguir arrancar do marido. A personagem em si era de uma infantilidade, fragilidade dramatúrgica que dava medo, mas o poder de interpretação de Fernanda Torres conseguiu segurar o episódio.

Em nenhum momento a história conseguiu emocionar ou alegrar o telespectador. Apesar do roteiro surpreendente, pois Cris arma um plano maluco para ganhar uma Ferrari. Ela vai pra cama com o dono e o convence a vender por R$ 1,2 milhão. R$ 600 mil pagos pelo marido e R$ 600 mil pelo amante.


Na concepção dela, todos lucram. Isso por si só já uma maluquice e tanto, mas o final em que o marido dá o balão nela, no amante e no dono do carro, comprando o carro, dando para sua amante e fazendo o amante da esposa pagar metade, foi até que divertido, mas com um texto sofrível, não deu para garantir veracidade a seqüência que seria facilmente mudada com uma simples pergunta: "Amor, o dono do carro disse que você o comprou". Não?

Enfim, Fernanda Torres merecia uma personagem melhor na série, pois todos aguardavam ansiosos por sua participação e acabou decepcionando, não por sua interpretação, impecável do início ao fim, mas pelo roteiro muito ruim. Esperamos que na próxima semana a série volte a melhorar

Ansiedade e Esperança


Nos corredores de dramaturgia da Globo o momento é de ansiedade. É que na próxima segunda-feira será divulgada a lista dos vencedores do Emmy Internacional, e a emissora acredita que possa abocanhar pelo menos dois troféus. Os favoritos do Brasil a vencer são Som e Fúria, como série, e o Especial Infantil Dó-Ré-Mi-Fábrica.

A atriz Lília Cabral concorre como melhor atriz.

Caso Som e Fúria vença o Emmy, a O2 pode ressuscitar o Projeto em parceria com a Globo e tentar alavancar a segunda temporada da série que nunca saiu do papel por esbarrar na falta de interesse da emissora carioca.

Matança toma forma...


A Record continua procurando o nome ideal para protagonizar a próxima novela das 22 horas, com título provisório de Matança. Após a recusa de Marjorie Estiano, a emissora tenta contratar outros dois nomes da emissora carioca, nomes de segundo escalão e que não foram divulgados.


Ainda assim, a possibilidade é de que a protagonista seja mesmo uma atriz da casa.

Enquanto isso, a direção da novela continua correndo contra o tempo para fechar todo o elenco. Patrícia França e Paulo Gorgulho, que estiveram em Poder Paralelo, serão convidados para integrar o elenco do folhetim de Cristiane Fridmann.

Séries


A Record pretende investir em séries em 2011. A idéia da emissora é, a princípio, tentar emplacar em sua grade de programação ao menos 02 séries de aproximadamente 12 episódios a temporada. As dicussões de bastidores já começaram e devemos ter novidades nos próximos dias.

Mas cadê a segunda temporada da série policial brasileira exibida na mesma emissora?

Novelas do SBT


Como este espaço antecipou, a grande mídia já começa a falar da possibilidade de Corações Feridos e Amor & Revolução estrearem no mesmo dia, a primeira as 19h15 ou 21h15 e a segunda as 22h15.

Essa estratégia do SBT é na tentativa de consolidar a dramaturgia e, por isso, em 2011 a emissora pretende contratar ao menos 02 autores.

SESSÃO BEIJO: Pérola Negra

Escala de autores


A Globo não confirma, mas ao que parece, com Walcyr Carrasco escrevendo para o horário das 21 em 2013, é possível que o horário das 7 também sofra alteração, mas só a partir de 2014.


A escala do horário deve ser assim: Walcyr Carrasco, Miguel Fallabella, Antônio Calmon, Sílvio de Abreu, Carlos Lombardi.


A partir daí, em 2014 autores podem ser deslocados de horário.

REVIEW: As Cariocas 1x03: "A Atormentada da Tijuca"


Já foram três os episódios de As Cariocas e, ao que parece, a série realmente ganhou um lugar no coração do telespectador. Também, pudera, em três exibições, cada história, cada personagem conquista mais a atenção de quem está assistindo e, sempre ao fim de um episódio temos a impressão de que ele foi melhor que o anterior, que já havia sido ótimo.

Isso é um ótimo sinal, afinal, manter a audiência interessada numa série quando são histórias independentes, personagens completamente diferentes, não é fácil. Se pararmos para pensar, é como se a cada terça-feira, a Rede Globo apresentasse uma nova série, um conto televisionado e que nada tem em relação ao anterior, apenas o fato de que todas as histórias acontecem numa mesma cidade.

Em A Atormentada da Tijuca fomos apresentados a Clarissa, personagem simples, tranqüila, insegura, tímida e extremamente madura e profissional. A personagem era completamente diferente das duas anteriores, apesar de linda e também chamar a atenção dos homens, ela nunca teve esse interesse, ao contrário, era recatada e, por trauma com a experiência ruim que teve no primeiro casamento, não queria construir nenhum tipo de relação afetiva no momento.


Toda a construção narrativa do episódio foi delicioso. Desde o trauma da personagem, passando a morar novamente com a mãe, completamente diferente, livre e até um pouco profana, caminhando pelo trabalho, onde deixou de ser respeitada pelo chefe ao se tornar divorciada, até a libertação através de uma brincadeira pensada por um amigo de infância com trejeitos gays que arrumou a ela um amante de ficção. Momentos de extremo bom humor as ligações que Clarissa recebia do suposto amante - que era o amigo que, ao telefone, dava dicas de como ela se portar naquele momento - fazia a gente rir muito.

Paola Oliveira esteve extremamente segura no papel de protagonista e deixou para trás qualquer vestígio de sua última personagem - Verônica, a vilã de Cama de Gato - e mostrou muita maturidade na construção de Clarissa. Mas o grande destaque do episódio foi Gabriel Braga Nunes que voltou a Globo em grande estilo encarnando o melhor amigo da protagonista. Com trejeitos gays, professor de dança, ele esteve ótimo, divertidíssimo e muito bem feito.

O final, com o amigo revelando-se hétero e explicando que só fingia ser gay e sempre fora apaixonado por ela foi sensacional. O fim não poderia ser diferente, os dois, juntos, felizes e realizados. Na cama. As Cariocas vem sendo um baita acerto da emissora. E que venha o próximo episódio.

Dezembro: Viva apresenta Especiais de Natal


Mais um canal preparou uma programação especial em homenagem às festas de final de ano. O canal Viva exibe durante o mês de dezembro, uma seleção de episódios especiais dos programas de sucesso do canal.

A programação começa no dia 12 de dezembro no programa "Brava Gente" com a exibição do conto "Francisco de Assis". O especial em formato de musical, conta a história da trajetória do jovem Francisco, nascido em Assis, na Itália, que abdicou de sua riqueza para iniciar uma vida de pregação. O elenco conta com Matheus Nachtergaele. No dia 19 de dezembro, às 20h, será exibido o episódio "O Natal de Arioswaldo", onde o personagem Arioswaldo (Tadeu Mello) se envolve em uma confusão durante a montagem do presépio da cidade e só com um milagre poderá se safar. Já no dia 26 de dezembro, às 20h; vai ao ar "O Auto de Natal", contando o nascimento de Jesus com o toque alegórico e irreverente do folclore nordestino. José (Leonardo Brício), Maria (Camila Pitanga), o arcanjo Miguel (Zezé Polessa), Deus (Chico Anysio), o diabo (Vera Holtz) e o Boi Surubim (Eduardo Moscovis) esperam pela chegada de Jesus.

O humorístico "Sai de Baixo" também entra na comemoração com as exibições dos episódios "A presepada de Natal" (dia 7 de dezembro, às 21h), que conta com a participação de Rita Lee; "Quem paga o parto" (dia 14 de dezembro, às 21h) com a participação de Fat Family; "Corra que o Papai Noel vem aí" (dia 21 de dezembro, às 21h) e "A pirada do milênio" (dia 28 de dezembro, às 21h).

Outros programas terão exibições especiais como "Casos e Acasos" com o especial "O Papai Noel, a perna quebrada e o presépio" (dia 23 de dezembro, às 21h). Fred (Emilio Orciollo) inventa que está com a perna quebrada para se livrar se da lista de afazeres para o grande evento do Natal, que a esposa Verônica (Paola Oliveira) apresenta; Zé (Bruno Mazzeo) trabalha vestido de burro num presépio vivo de shopping e se revolta porque ainda não recebeu o pagamento, então passa a reivindicar seus direitos; Gabi (Carol Machado) contrata Alessandro (Cláudio Mendes) para ser um Papai Noel e entregar o presente ao chefe Jayme (Carlos Vereza). E ainda tem a turma do "Sítio do Picapau Amarelo" (dia 26 de dezembro, às 11h30) e do "Vida ao Vivo Show" (dia 31 de dezembro, às 21h) em episódios especiais.

Chiquinha Gonzaga estreia no Viva



Estreia no dia 25 de novembro, às 23h45, a nova minissérie do canal de TV por assinatura Viva. Trata-se de Chiquinha Gonzaga, de Lauro César Muniz e direção geral de Jayme Monjardim. Ao retratar a saga de Chiquinha Gonzaga, a trama envolve uma mulher revolucionária, fazendo um painel que remete a história das mulheres brasileiras, de suas lutas e vitórias. Mostra ainda o surgimento da música popular brasileira, que teve em Chiquinha uma de suas precursoras e conta os 80 anos de sua história do Brasil.

Para ilustrar a vida desta mulher, que através de suas atitudes chocou uma época, desafiou os costumes estabelecidos e abriu alas para a música brasileira, foi convocado um grande elenco, encabeçado por Regina Duarte e Gabriela Duarte, que vivem o personagem-título em duas fases distintas: a primeira com Chiquinha jovem interpretada por Gabriela; e a outra, já adulta, vivida por Regina. Além de contar com nomes como: Marcelo Novaes, Carlos Alberto Riccelli, Danielle Winitz, Norton Nascimento, Flavio Migliaccio, Suzana Vieira, Paulo Betti, Caio Blat, Milton Gonçalves, entre outros, e algumas participações especiais, como de Gracindo Jr. e Sergio Britto.

A nova minissérie Chiquinha Gonzaga tem ao final de cada capítulo a apresentação de um sucesso da compositora, interpretado por um artista da música atual. Para isto, Jayme Monjardim, convidou vários cantores como Cauby Peixoto (cantando “Maria”); Angela Maria, Marlene e Emilinha interpretando, em conjunto, um dos maiores sucessos de Chiquinha, “Ó Abre Alas”; e Emílio Santiago (“Não Venhas”). Também estarão presentes: Ney Matogrosso (“Forrobodó”), Edu Lobo (“Morena”), Milton Nascimento (“Namorados da Lua”) e Selma Reis, que canta “Mon Etoile”.

Chiquinha Gonzaga
No ar de segunda a sexta-feira, às 23h45 (A partir do dia 25)
Horários Alternativos: segunda a sexta-feira, às 3h30

Dezembro: Desprogramado é a nova série do Multishow


Parece que o novo foco do Multishow são as séries nacionais de humor. Este ano o canal, estreiou várias atrações em parceria com as mais renomadas produtoras, como "Amoral da História", com Fernanda Torres e a elogiada "Vendemos Cadeiras".


Em dezembro, o canal estréia mais uma produção brasileira: "Desprogramado". A série conta com 13 episódios na sua primeira temporada e tem a apresentadora Luisa Micheletti como protagonista.

A série mostra os bastidores de um programa de TV em busca de bons resultados (audiência, claro). Porém, o programa não é um sucesso e a apresentadora da atração (Luisa Micheletti ) vai fazer o impossível para mantê-lo no ar, contando com a ajuda da equipe que só quer agradar a diretoria da emissora.

A série estréia dia 12 de dezembro, às 23h, com exibição semanal.

SESSÃO BRIGAS: Por Amor

Larissa Maciel comemora transformação de Felícia em "Passione"


Felícia (Larissa Maciel) começou em "Passione" apagada e com o posto de patinho feio da novela de Silvio de Abreu. Depois de assumir a filha que foi criada como irmã, passar por uma transformação no visual e engatar um romance com o italiano Totó (Tony Ramos), Felícia vai beijar Gerson (Marcello Antony).

"Para quem começou a trama reprimida e quieta, até que a Felícia está abocanhando um bom espaço nessa história", diz Larissa. O beijo acontece no capítulo que vai ao ar na segunda-feira (22), durante o jantar de noivado de Sinval (Kayky Brito) e Fátima (Bianca Bin).

Passione: Clara fingirá que apanhou de Valentina


Clara (Mariana Ximenes) está regenerada? Nos próximos capítulos de "Passione", até sua arquiinimiga, Gemma (Aracy Balabanian), acreditará que sim. Mas estará redondamente enganada. Quando Valentina (Daisy Lúcidi) for solta da prisão, a garçonete ficará tão tomada pelo ódio que fingirá ter apanhado da avó.

Clara vai rasgar as próprias roupas e fará um corte no braço. Ela chegará sangrando na casa de Gemma pedindo ajuda: "Olha o que minha avó me fez, não sei como consegui escapar", dirá ela. Pela primeira vez na vida, Gemma a apoiará e irá com ela tirar satisfações da "Velha Porca".

Valentina dirá que Clara é louca, que a surra é falsa. Em vão. Ninguém acreditará nela.

Fiuk não estará em "Fina Estampa"


O ator/cantor Fiuk, filho de Fábio Jr e último protagonista de "Malhação", estava reservado para estrelar "Fina Estampa" novela de Aguinaldo Silva no horário das 21hs.

Eis que o autor, Aguinaldo, revelou a saída do ator via twitter.

- Fiuk desistiu de fazer a novela. Não pode abrir mão dos shows, e ainda precisa estudar.O que eu acho disso? Ele está certíssimo!

É verdade Aguinaldo, que ele precisa estudar ninguem tem dúvidas disso e estudar muito. Pessoas ligadas ao Fiuk revelaram que o cantor está com medo das críticas duras que pode receber estrelando uma novela do horário nobre.

Sem Fiuk na telinha, os telespectadores agradecem.

Audiência Detalhada - Vale Tudo



NOVELA: Vale Tudo
HORÁRIO: 20h30
DE: Gilberto Braga, Aguinaldo Silva
META: 50 pontos

Exibição: 16 de Maio de 1988 a 07 de Janeiro de 1989

Maior Audiência: 86 pontos
Menor Audiência: 54 pontos

-Com 203 capítulos

Emissora: Rede Globo

16/05 a 21/05/88 64 64 64 62 56 55 = 61
23/05 a 29/05/88 62 63 61 64 57 56 = 60
31/05 a 05/06/88 64 62 63 60 59 56 = 61
07/06 a 12/06/88 61 62 61 63 59 56 = 60
14/06 a 19/06/88 61 62 63 60 58 56 = 60
21/06 a 26/06/88 63 65 64 62 61 57 = 62
28/06 a 03/07/88 66 62 64 63 60 54 = 61
05/07 a 10/07/88 62 62 62 61 60 57 = 61
12/07 a 17/07/88 64 63 64 66 61 60 = 63
19/07 a 23/07/88 62 65 63 60 60 58 = 61
25/07 a 30/07/88 65 67 68 64 61 60 = 64
02/08 a 07/08/88 64 66 66 64 62 58 = 63
09/08 a 14/08/88 67 67 64 62 64 59 = 64
16/08 a 21/08/88 68 68 70 67 64 62 = 66
23/08 a 28/08/88 70 68 68 69 67 64 = 68
30/08 a 05/09/88 65 66 64 63 59 60 = 63
07/09 a 12/09/88 66 68 68 69 67 64 = 67
14/09 a 19/09/88 66 68 68 68 70 64 = 67
21/09 a 26/09/88 70 71 68 71 65 61 = 68
28/09 a 02/09/88 68 68 69 67 64 63 = 66
04/10 a 09/10/88 71 72 68 71 72 67 = 70
11/10 a 16/10/88 74 72 71 71 70 65 = 70
18/10 a 23/10/88 74 76 75 71 72 70 = 73
25/10 a 30/10/88 78 75 74 73 71 67 = 73
01/11 a 06/11/88 75 74 73 72 71 70 = 72
08/11 a 13/11/88 79 78 77 77 78 71 = 77
15/11 a 20/11/88 74 74 75 74 71 72 = 73
22/11 a 27/11/88 76 74 78 74 71 69 = 74
29/11 a 03/12/88 70 69 71 72 73 68 = 70
05/12 a 10/12/88 73 74 76 75 74 70 = 74
12/12 a 17/12/88 77 75 76 77 75 71 = 75
19/12 a 24/12/88 78 74 75 76 78 81 = 77
26/12 a 31/12/88 81 80 82 80 79 76 = 80
02/01 a 07/01/89 83 85 81 84 86 68 = 81

MÉDIA GERAL: 68 pontos

Camila Pitanga e Lázaro Ramos gravam novela juntos


Camila Pitanga e Lázaro Ramos gravaram este sábado, na Barra da Tijuca, cenas da próxima novela das oito, Insensato Coração. A atriz - que cortou os cabelos para a nova personagem - será Carol, uma jovem executiva que vai se relacionar com André, um designer de sucesso vivido por Lázaro.

A novela será de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, com direção de Dennis Carvalho, e tem estreia prevista para 17 de janeiro de 2011.

SESSÃO HUMOR: Toma Lá Dá Cá

"Virei a maior bandida e assassina deste país", diz Cássia Kiss sobre Vale Tudo


Se ainda há quem não saiba quem matou Odete Roitman, vilã que voltou à moda com a reprise de "Vale Tudo" (Viva), é melhor parar de ler por aqui.

Em entrevista à Folha, Cássia Kiss, 52, a intérprete de Leila, a assassina, contou ter guardado na época o segredo por dois meses e que acabou até esquecendo-o de verdade.

Beatriz Segall não fala muito sobre Odete. Você se incomoda de falar sobre a novela?

Cássia Kiss - Você está louca? Acho bárbaro. Se Leila não matasse Odete vocês não estariam me ligando (risos).

Como soube que seria a assassina de Odete?

O Denis Carvalho [diretor] falou dois meses antes: "A Leila vai matar a Odete. Não conta para ninguém". Falei: "Tá bom". Aí esqueci mesmo. Depois, quando vi o alvoroço todo sobre a questão falei para ele: "Ô, Denis, foi a Leila que matou mesmo?". Fui me certificar porque pensei que não era possível ter sido ela. Foi muito engraçado.

Acha que foi mais fácil manter o segredo naquela época?

Acho que sim, mas sou ótima para guardar segredo.

Como foi gravar a revelação de que Leila era a assassina?

Foi no último dia da novela, 6 de janeiro [de 1989]. Era meu aniversário, teve bolo e champanhe no estúdio. Gravamos a cena poucas horas antes de ir ao ar. No dia seguinte eu estava estampada na primeira página de todos os jornais apontando uma arma. Virei a maior bandida e assassina deste país. Foi uma loucura.

Consegue entender o sucesso da reprise?

É uma história fascinante, que aconteceu quando o país estava muito desacreditado. O Gilberto [Braga, autor] botava frases na boca da Odete que eram um desprezo pelo país. Isso mexia muito, né?

Como é a sensação de se ver em novela de 22 anos atrás?

(risos) Engraçadíssima. Acho que uma das glórias da minha profissão é se imortalizar de alguma forma.

É seu personagem preferido?

Não, longe disso. Leila foi histórica porque matou a Odete. Tem outras.

Cariocas ganham versão exclusiva do "Video Show"


A partir da próxima segunda o "Video Show" terá duas versões: uma nacional e outra exclusivamente para o Rio de Janeiro.

Boninho avalia que a cidade tem uma agenda cultural ampla e que merece ser contemplada com destaque.

O trio de apresentadores, André Marques, Geovana Tominaga e Ana Furtado, gravaram "cabeças" separadas.

Silvio de Abreu faz mistério sobre a possível morte de Melina em "Passione"


Nos últimos dias a imprensa informou que Melina, personagem de Mayana Moura, seria a próxima da lista a ser assassinada em "Passione".

Longe de ser a mocinha da história, a personagem não encontra rejeição do público e muito menos do mercado publicitário, com isso vem atraindo muitas ações de merchandising para a novela.

Silvio de Abreu, autor do folhetim, ao ser questionado sobre essa possível morte da personagem fez mistério: “Falam, mas não provam!!!”. E finaliza: “este é outro mistério que eu quero preservar, quanto mais falarem, melhor”.

É, parece que Silvio de Abreu continuará deixando a todos intrigados sobre os mistérios de sua trama. Resta ficar atento aos próximos capítulos.